Blog do Inácio Araújo

Arquivo : April 2013

Indústria da insignificância
Comentários 2

Inácio Araújo

Há alguma coisa que soa falso em toda essa discussão sobre distribuidoras e agências de fomento ao audiovisual no Brasil.

Às vezes alguém fala – caso de um diretor da RioFilme na Folha, hoje – como se o mercado fosse algo estruturado e com funcionamento normal, com o público acolhendo “bons” filmes e rejeitando os “maus”, como as coisas funcionavam em 1940, Hollywood.

Falar do número de empregos também não faz sentido. Ele é ínfimo, de todo modo. Se a lógica for essa, então devemos pensar em outros tipos de indústria: petroquímica, automóveis, enfim… Não vejo o menor sentido nisso, a não ser criar isso que nos tem chegado do Rio e que é, basicamente, uma indústria da insignificância.

Dizer que concilia os filmes de grande público com produções “não comerciais” ou “experimentos de linguagem” ou que nome se prefira dar parece embromação: esses filmes saem já tremendamente pressionados e tendem a não resultar em nada.

É mais correta, e honesta, a afirmação de que não existe uma estrutura a sustentar filmes de sucesso. Que “De Pernas para o Ar 2” é um acaso… Sim, fora da Rede Globo não existe estrutura para produzir continuamente nada, nem bom, nem ruim, nem nada. O que se pode fazer são esses subprodutos.

Fora isso, só cinema publicitário. Dá muito emprego etc. A RioFilme podia investir nisso também.

De certo modo, a iniciativa paulista surge mais saudável. Ao menos não se vê o cinema como uma louca corrida em busca do sucesso fácil. (Espero também que não seja essa coisa caipira da RioFilme, de discriminar as produtoras não cariocas). Mas seria interessante parar com essa coisa hollywoodiana que a gente vê por aí, essas equipes intermináveis, e tal.

Tenho a impressão de questões de mercado têm de ser tratadas como tal. A Ancine conseguiu coisa importante, ao abrir espaço obrigatório nas TVs pagas para produção caseira. É certo, abri numa sitcom brasileira da Warner e era horrível, ridícula, mal escrita… Tinha prêmio de incentivo do MinC, não sei como. Essas podem ser as dores do parto. Vamos ver como isso caminha. Os realizadores têm que estar à altura dos espaços que se consegue abrir. Os júris também… (pois os júris atribuem prêmios a projetos de séries e tal e coisa). Se não houver talento e inteligência será muito difícil funcionar.

Temos de ter uma coisa clara: o cinema (o que chamam agora de audiovisual, ou seja, o cinema) não é uma expressão forte no Brasil. Quando se fala de música é possível falar de mercado. Se há um show do Caetano e um da Madonna a pessoa pode ir a um ou a outro, mas reconhece a ambos como do mesmo universo, embora expressões diversas, etc.

Isso ainda não acontece muito com o cinema. Então nossos filmes de sucesso serão sempre exceções felizes, do ponto de vista comercial. Aqueles que acertam na mosca por conta do tema, como Tropa de Elite, ou subprodutos, como E Aí Comeu…

Se a distribuidora paulista tiver por objetivo fazer caixa caminhará para a insignificância. Se trabalhar filmes que não se incomodam com o público, filmes de artistas, tipo “faço para mim” e o governo arranja jeito de financiar, caminhará da mesma forma para a insignificância.

Existe um caminho aberto, mas é estreito, exige um rigor enorme, não só dos responsáveis pela distribuição como dos responsáveis pelos filmes.


Depois de Maio
Comentários 1

Inácio Araújo

Não gosto de me antecipar a textos que vão aparecer brevemente na Folha.

E logo logo vai estrear “Depois de Maio”, de Olivier Assayas.

Escrevo isso não pelo filme em si, mas pelo que me faz evocar a manifestação contra o casamento gay na França.

É um país dividido ao meio. Republicanos e monarquistas, fascistas e libertários, conservadores e socialistas, revolucionários e reacionários, democratas e racistas…

Isso produz bons polemistas. E, é preciso dizer, a direita francesa não raro é brilhante, ao contrário do que acontece aqui no Brasil, onde ela é meramente reativa, não produz idéia alguma, apenas contesta a idéia dos outros, seja qual for, boa ou ruim, não importa.

O que mais me interessou em “Depois de Maio” é que não se trata de um filme saudosista, de uma evocação dos acontecimentos de Maio de 68, mas, justamente, discute o que aconteceu com aquela geração, os rumos que tomaram as pessoas envolvidas mais ou menos diretamente naquela revolta estudantil que se pensou como o grande salto da esquerda para uma sociedade “pura” (a idéia de juventude tem tudo a ver com isso: os não contaminados pela sociedade do consumo, do dinheiro).

O que aconteceu com essas pessoas? E com essas idéias? E com seus filhos?

E, pode-se ir mais além, com a França libertária? E com a Europa?

É do presente que trata o filme, mais do que do passado.

E o presente francês é essa coisa estranha. Na eleições passadas fiquei com a impressão de que só a candidata dos fascistas tinha uma visão clara do que queria. Talvez porque soubesse que não ia ser eleita. Pode ser. Mas essa visão, simplória e não raro assassina, é assim, para resumir: viva Joana D’Arc.

Me parece o centro da decadência francesa, da influência de seu pensamento e de sua arte. Os americanos recebem tudo, agregam tudo: judeus, turcos, chineses, mexicanos, o que for. A Europa se quer “pura”.

Outro dia passou um documentário na TV Cultura sobre Madame Curie. Bem, ela recebeu mais de um Nobel, o diabo a quatro, uma glória nacional. Mas nunca foi aceita pela academia de ciências da França. Nem era por inveja, diz o documentário. É porque era polonesa de nascimento…

É um pouco isso. É Caso Dreyfuss. É “Glória Feita de Sangue”…

É tudo isso, a rigor, que a Nouvelle Vague pretendeu varrer (e varreu, de certa forma), trazendo a América para a Europa.

O Assayas é talvez o único herdeiro da NV. É bem vivo.

Sua obra já começa a merecer uma atenção do Rafael Ciccarini e do pessoal de Belo Horizonte, ou dos curadores do CCBB, ou de ambos.


Hawks em BH
Comentários 1

Inácio Araújo

Falei para as pessoas aquiem Belo Horizonte: vocês podem ver em um mês o que eu levei quase a vida inteira para juntar: o Hawks completo. Mais que completo, com alguns filmes não creditados que não conheço.

E há também aqueles que eu não via há muito tempo, como “Meu Fiho É Meu Rival”.

E a Sala Humberto Mauro se enche para ver os filmes: Minas tem uma tradição extraordinária de cinefilia que se transforma em crítica (exemplos aqui em SP: Alcino Leite e Cassio Starling, que eu me lembre e recentes naturalmente).

Assim como sabem organizar festivais notáveis, como Ouro Preto e Tiradentes, o pessoal daqui (no caso o Rafael Ciccarini e sua turma) recebe a gente com gentileza inacreditável, sem pompas, sem que nada falte, sem que nada sobre.

No ano passado, a Fundação Clóvis Salgado (na prática a Secretaria de Cultura de MG) trouxe Chaplin completo e Buñuel.

Este ano, Hawks. O fantástico é que, para muitos, é uma descoberta.

Para quem já conhece, como eu, uma redescoberta permanente: parece que os filmes são infinitos, que a cada nova visão reaparecem virgens.

Um dos cineastas mais extraordinários, talvez o mais, que já me lembro de ter acompanhado.

Como uma parte do Buñuel chegou em SP, quem sabe isso possa acontecer novamente, no CCBB, no CineSesc ou na Cinemateca. Lugar é que não falta.

SP Filmes

Desde que Juca Ferreira entrou na SMC paulistana tenho ouvido funcionários falarem bem de seu profissionalismo e gosto pela eficiência.

O primeiro gesto que vejo surgir, muito claro, é a ressurreição do projeto da SP Filmes.

Trata-se de uma antiga reivindicação de cineastas paulistas.

Primeiro, tenho a impressão, havia um pouco de inveja da RioFilme.

Mais tarde, a RioFilme passou por um processo pesado de fechamento caipira: encher o Woody Allen de $$$$$$ para filmar por lá (por Deus…), se preocupar em ser capital cinematográfica da América Latina e por aí vai.

Abandonou o projeto de ser uma grande distribuidora nacional. Verdadeiramente da nação.

Nesse caso, a SP Filmes, como empresa de fomento, inclusive com seu projeto de se tornar exibidora (cinemas em bairros distantes do centro), aparece como uma preciosidade: uma agência de fomento.

Os riscos são tão grandes quanto a ambição: tornar-se paulista, por exemplo (acho que por ora um secretário baiano não vai entrar nessa) e sufocar as pequenas empresas que têm segurado a onda da distribuição, não só dos paulistas como de cineastas de Pernambuco, Rio Grande do Sul etc. Ao contrário da RioFilme, me parece que é preciso uma visão sobre o país inteiro.

Aloysio

Fico sabendo consternado da morte de Aloysio Raulino, não só um importante fotógrafo como o cara capaz de topar todas as aventuras cinematográficas mais fora dos padrões, mais distante das convenções. A começar pelas “Serras da Desordem”, que filmou com Andrea Tonacci.

Mas não havia projeto fora dos eixos em que não estivesse disposto a entrar. A generosidade talvez seja a marca maior que deixa.

 


Na Terra dos Faraós
Comentários Comente

Inácio Araújo

Um bom DVD, no devido cinemascope, esse de “Terra dos Faraós” que a Versátil edita (sem extras, como quase sempre).

Como todo mundo sabe, não é um dos grandes Hawks. Mas, à parte a sequência final, fantástica, do fechamento da pirâmide, há pontos de interesse seguros.

O primeiro: me parece provavelmente o filme do Hawks com mais planos baixos. No alto, o faraó. E por quê? Porque é um homem acima dos homens, um deus vivo.

A mulher tratará de colocá-lo em seu devido lugar. Reduzi-lo à dimensão humana.

Mais do que isso, do ponto de vista do roteiro temos aí algo interessante para um filme feito ao mesmo tempo que “Os Dez Mandamentos”.  Trata-se de uma variante laica da fuga do Egito pelos judeus. Aqui, claro, não há Moisés nem nada, aliás nem a menção aos judeus. É um povo de escravos, simplesmente, libertados uma vez concluído o trabalho de construção da pirâmide. De todo modo, uma afirmação do laico. O homem, não Deus, é que move o mundo

Como sempre em Hawks, há uma  monstruosidade: a pirâmide, a construção interminável, o homem que vive para sua morte, para seu túmulo.

Pena que, entre os grandes momentos, haja coisas bem fracas.

E outro Hawks

Em Belo Horizonte, um Hawks completo. Maravilha. No ano passado foi Chaplin, com direito a Jean Douchet e tudo mais. Este ano, mais modestamente, vou eu: um curso de três dias. Não mereço estar lá, mas, enfim, estarei.

Ana Katz

Uma diretora argentina desconhecida entre nós. Com um filme, um pouco comédia, um pouco não, chamado “Los Marziano”. Três irmãos diferentes entre si , sendo que um deles, o rico, mora num lugar paradisíaco, com grandes gramados, onde de tempos em tempos, sem que nem porquê, as pessoas caem em buracos gigantescos.

Um imaginário bem estranho, bem provocante, mesmo que tenha ficado com a sensação de ter perdido algo, de não ter compreendido direito esse estranho surrealismo argentino.

Mais uma ilustração, em suma, da vitalidade do cinema de lá. Tenho mais dois filmes dela para ver, que amigas emprestaram. A ver.

 Casamento Proibido

“You and Me”, no original, “Casier Judiciaire” na França, “Casamento Proibido” no Brasil. Um Fritz Lang que é dado como fraco. Do meio para o fim, talvez. Do começo até o meio, belo.

Um dono de loja de departamentos emprega ex-presidiários. Geroge Raft entre eles. Enquanto a condicional não acabar eles não podem se casar (acho que é lei, não determinação patronal).

Raft e Sylvia Sydney se apaixonam, no entanto. Problema à vista. Menor, no entanto, do que antigos colegas da gangue de Raft quererem que ele volte à ativa, justamente roubando a loja do seu benfeitor.

Há um quê de Frank Capra nisso, de partição entre um mundo entre ingênuo e bom e outro corrupto e mau. Quando isso fica desenhado, o filme de fato tropeça um pouco.

E, no entanto, a primeira parte tem aquilo muito Lang de um homem, e depois um casal, que a vida marcou a ferro.  Como todo Lang, vale.


Killer Joe e A Visitante Francesa
Comentários 2

Inácio Araújo

Todo mundo já deve ter notado minha falta de paciência para falar de filmes nos últimos tempos.

Bem, com Killer Joe é diferente.

Uma volta em grande estilo do Friedkin.

E vou ficar só com o começo: um rapaz chega a uma casa-trailer debaixo de uma chuvarada, bate desesperadamente, chama por Dottie.

Não é Dottie quem abre a porta, mas sua madrasta.

A madrasta é Gina Gershon, o que inspira Friedkin a fazer um plano genial.

Ela aparece nua da cintura para baixo e se aproxima até ficar em primeiro plano.

PP da xoxota.

Quem filma isso, quem filma assim hoje em dia?

O rapaz é que se escandaliza. Pede a ela que se vista.

Ela diz algo como: Por quê? Metade da cidade já viu ela assim.

O rapaz, bem excitado, quer falar com o pai e se sente mal com a madrasta daquele jeito.

Mas fala assim mesmo. Sabe? A minha mãe tem um seguro de vida, 50 mil dólares.

Ela não vale nada. Por que não a matamos? Conheço um cara… Etc.

E depois já começa a fazer a divisão da grana toda.

Claro, é vida de pobre. É tudo aperto. E o rapaz logo aparecerá numa loja de apostas. Joga um monte no cavalo errado. Sai. Na frente dele posta-se um carro. Já sabemos pela posição frontal do tipo de ameaça que representa. O menino sai correndo que nem maluco. Pronto: há carro, há moto, há o menino correndo. Uma dessas perseguições irretocáveis do William Friedkin, cheia de um vigor único.

Pensei então que isso é que nem o Tarantino, mas de verdade.

No Tarantino a gente sente que aquilo é uma brincadeira com a imagem, quase sempre.

Com “Killer Joe” não é assim.

Claro, não se deve levar a namorada para ver esse filme.

No passado seria o que Biáfora chamava “filme para marinheiros”.

Há umas engrossadas que nem precisaria ter.

Mas é bom ver uma coisa assim. Bem rara.

Já “A Visitante Francesa” é leve, elegante, tem invenção interessante, pois coloca uma francesa na Coréia, o que significa que todo mundo fala uma língua que não a sua: o inglês.

Esse deslocamento corresponde, me parece, ao deslocamento da própria personagem, que fica ali numa espécie de fim de mundo, um balneário meio muxiruca.

E tudo sob o signo da ficção, pois a história, ou as histórias são escritas por uma garota para pagar a dívida que um parente deixou.

Bem legal, também.

No CineSesc começa  os melhores do ano

Não fui à homenagem ao Carlão no CineSesc, na abertura da mostra dos Melhores, porque estava estourado. Pelo que me contaram, acho que fiz bem.

Agora, vale a pena dar uma chegada lá: toda a vida do Carlão quase está nas paredes, muito bem resumida, em fotos, em cartazes, etc.

Participei de um debate sobre Novas Tecnologias vs. Cinemas de Rua.

Se posso fazer uma crítica à organização, lá vai: só tinha velho na turma, e velho tende a ser nostálgico, a reclamar do presente.

É muito bom estar entre nós (e com o raro – em todos os sentidos – Zuenir Ventura). Mas temo que a rapaziada da platéia tenha achado que caiu por engano num encontro geriátrico.

Claro, nossas lembranças estão em outra parte. Acho que seria justo misturar um pouco, trazer gente nova para falar também.

Porque, claro, podemos reclamar do que for: as salas de rua que a gente frequentava no passado eram umas drogas.

E podemos reclamar de digital, do que for: o mundo em que vivemos é este.

O cinema também é culpa da tecnologia, no fim das contas.

E Fuller no CCBB

Mostra de respeito. Que mais dizer?


Crítica, cidadãos, consumidores
Comentários Comente

Inácio Araújo

Sérgio Alpendre escreve me animando a buscar um espaço para esclarecimento a respeito das críticas de alguns leitores do Guia da Folha aos críticos e às suas cotações.

Já escrevi aqui sobre essas reclamações. Há algum tempo um leitor dizia que ele e seus amigos nunca estavam de acordo com as cotações recebidas pelos filmes.

Até onde consigo lembrar, o teor da última carta não é muito diferente. Lembro apenas que era de um músico.

Achei divertida a menção à profissão. Músico? Mas que músico? Toca na sinfônica ou na churrascaria? Toca bossa-nova ou sertanejo? Música barroca ou século 20?

A profissão pode não querer dizer nada…

Não falo mais sobre isso. Não é um problema de opinião, de saber ou não saber, nada. É um problema civilizacional. O sujeito se vê não como o cidadão que, diante de um texto que o convoca, de um modo ou outro, a refletir, discordar, acrescentar algum conhecimento, etc.

Ele é diferente. Se não está de acordo com o número de estrelas que aparece lá ele se sente lesado em sua condição de consumidor. É nessa condição que ele escreve e se queixa: a opinião do crítico não bate com a sua, o crítico deveria estar de acordo com o espectador.

Mas, em primeiro lugar, como? Alguns concordarão, outros não. O próprio quadro do Guia mostra como são diferentes as maneiras de ver filmes, de estar frente às imagens.

E, em segundo lugar, o crítico não existe para estar atrás do leitor, mas, ao contrário, para antecipar-se a ele. Como é, supostamente, um especialista, dedica-se ao estudo daquilo, vê filmes constantemente, passados e presentes, lê textos a respeito, etc., ele é alguém que tem algo a ensinar ao leitor que aprecia aquela arte, mas de maneira esporádica, sem um compromisso maior. Ou, caso seja um espectador frequente, o crítico estará ao seu lado, é alguém com quem o leitor dialoga, discute, concorda, discorda, etc.

Resumindo: a crítica – como atitude diante do mundo – não é para consumidores, mas para cidadãos. E o mundo se desenha mais para consumidores do que para cidadãos. Azar o nosso.

Cinusp

Nunca falo do Cinusp, não porque não mostrem coisas boas, mas porque é quase um gueto, fechado lá na Cidade Universitária (gueto mesmo: o reitor não deixa o Metrô chegar lá. Quem disse que era só o ex-presidente Figueiredo que não gostava de cheiro de povo?).

Mas essa série com o Novíssimo cinema brasileiro é muito boa. Sobretudo pela presença dos realizadores para conversar com a platéia.

Coisa que seria muito, mas muito interessante ver na Cinemateca.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>