Blog do Inácio Araújo

Arquivo : May 2012

Xingu, o Brasil e seu Outro
Comentários 1

Inácio Araújo

Não sei se estou de acordo com Fernando Meirelles, quando diz que o público brasileiro não gosta de índio, e por isso “Xingu” não foi nenhum estouro de bilheteria.

Talvez o problema maior esteja em imaginar que todo filme precisa ter 2 ou 3 milhões de espectadores para dar certo.

Estamos mais preocupados com o espetáculo do cinema do que com o cinema. Mais com os festivais do que com os filmes.

Aliás, não me parece que a questão sejam os índios.

Talvez se tenha cultivado nos últimos anos um público que aprecia “Cilada.com”. E esse público com toda certeza terá dificuldade para ver “Xingu” ou qualquer outro filme que não seja irremediavelmente cretino.

Os 400 mil de “Xingu”, ao contrário, me parecem animadores: eis aí um filme narrativo, acessível, mas com sentido de dignidade do cinema, que busca elevar o seu espectador, mostrar alguma coisa que, afinal, é uma velha questão brasileira: a Marcha para o Oeste.

Isso é: o Brasil e seu outro. Esse que os Villas-Bôas buscam compreender, mas que, sabem, permanecem um outro irredutível à nossa cultura branca.

Mas esse outro também é tudo o que nossa sociedade de castas torna invisível, inatingível: o pobre, em grande medida, mas o próprio Brasil

DVD e  Tv  cabo

A temporada cinematográfica não está lá muito animada, mas a de DVDs está me enlouquecendo.

Outro dia, a Versátil lançou “Os Deuses Malditos”, um Visconti belíssimo, onde a indústria de armas na Alemanha, Segunda Guerra, produz armas, claro, mas produz antes de tudo o inferno de seus deuses.

Não fica atrás, porém, o belo, delicado “O Mensageiro”, de Joseph Losey, da Lume.

Só que agora a Lume me sai com um pacote que pelo amor de Deus. Lá estão “O Último Magnata”, de Elia Kazan, “O Homem dos Olhos Frios”, Anthony Mann, “Nathalie Granger”, de Marguerite Duras. Quer dizer, um pouco mais fraco mesmo só o no entanto bem simpático “Quando É Preciso Ser Homem”, de Ralph Nelson.

Estava nisso, nessa em que a gente nem consegue falar de cada filme e entrega ao gosto de quem ler essa notícia buscar o seu preferido, quando aparece aqui um pacote do Telecine com 15 filmes de Marilyn.

Ok, acho que quase todos estão aí em circulação. Mas é de supor que esses filmes estarão agora na TV paga, e a ocasião de revê-los é tentadora. Não sei se vale a pena destacar algum, mas os de Billy Wilder com ela estão todos  lá – e eles se davam bem. Há ainda os dois Hawks que ela fez, sobretudo “Os Homens Preferem as Loiras” (“O Inventor da Mocidade” é fantástico, mas ela é coadjuvante só). E o faroeste com o Robert Mitchum, “O Rio das Almas Perdidas”, do Otto Preminger.

Bem, essa é uma parte dos 15. Há umas coisas meio chatas, mas como passar ao largo delas?


Confissões de Xuxa e etc.
Comentários 2

Inácio Araújo

Marcelo Rubens Paiva manifestou o sentimento de que Xuxa poderia ter sido menos expansiva na manifestação feita no “Fantástico” sobre abusos sexuais de que teria sido vítima na infância.

Tenho a impressão, pelo meu lado, que pessoas como Xuxa só existem no mundo do espetáculo, ou antes, na sociedade do espetáculo: sua vida parece só fazer sentido se exibida na TV, se produzir audiência.

Li que confessar ter sido abusada por um treinador foi motivo de relançar a carreira de uma nadadora famosa.

A confissão de Xuxa pode ter o mesmo efeito. Em todo caso, já há um senador disposto a faturar em cima dela e querendo sua presença no dia em que será aprovada (ou assinada, não sei) uma lei contra abusos sexuais.

Que, ao menos por enquanto, leva o nome da nadadora.

Os dois lados ou Os Assassinos da Verdade

É tão frequente ler que é preciso investigar “os dois lados” na  Comissão da Verdade que começo a me inclinar para esse lado.

Como disse um agudo leitor, o direito a levantar-se contra a tirania é o fundamento de todo terrorismo. Não se pode apoiar uma coisa dessa.

Portanto, devemos investigar, sim, todos os crimes cometidos pelos terroristas brasileiros, ainda que tenham sido devidamente investigados a seu tempo por agentes torturadores.

Devemos, acredito até, ir mais longe. É preciso investigar  “os dois lados” da Guerra da Argélia. Não apenas os franceses torturadores como os argelinos que se insurgiram pedindo liberdade.

Também os terroristas, como Menahem Begin, que lutavam pela fixação dos judeus na Palestina têm que ser investigados.

E, claro, é preciso uma devassa nas diversas resistências aos nazistas e fascistas, durante a Segunda Guerra: esses caras eram um perigo para a ordem instituída, sem dúvida.

Acho que em nosso afã de imparcialidade devemos ir ainda mais fundo e investigar os criminosos pelo infame levante do Gueto de Varsóvia, que tanto traumatizaram as famílias nazistas de Varsóvia.

Enfim, a verdade tem que ser contada…

(Mas a esses defensores da verdade imparcial aplica-se bem a fórmula de Pierre Vidal-Nacquet: são esses os assassinos da verdade.)


Douglas Sirk Universal
Comentários Comente

Inácio Araújo

Segue, abaixo, a íntegra da preciosa entrevista de Eduardo Simantob com Matthias Brunner, feita em 19/4/2012 e editada na Ilustrada, da Folha, no dia da inauguração da Mostra Sirk no CCBB.

Eduardo Simantob – Como você conheceu Douglas Sirk?

Mathias Brunner – Foi no início dos anos 70, 1974 se não me engano, no Festival de Locarno. Ele vivia em Lugano na época e sempre reclamava de que nada acontecia no Ticino (cantão italiano da Suíça) a não ser o festival de cinema, que ele e sua mulher Hilde frequentavam todos os anos incógnitos, misturando-se ao público normal sem sequer pedir credenciamento. Alguém que nem me lembro nos apresentou e eu não era nada estúpido e logo imaginei que poderíamos fazer algo juntos no futuro. Logo comecei a preparar uma retrospectiva Sirk e começamos a nos encontrar com frequência em Zurique, que eles adoravam visitar, ficavam sempre no mesmo hotel, iam sempre ao mesmo restaurante vegetariano, muito modesto, o que era muito conveniente para mim na época, pois além de vegetariano, eu também não tinha dinheiro sobrando para jantar fora o tempo todo. Mas as visitas deles eram sempre uma ocasião festiva, fosse para jantares em minha casa ou na casa de meu parceiro na época, (o galerista) Thomas Amman.

ES – Isso então se passou bem quando a obra de Sirk estava sendo reavaliada e revalorizada por uma nova geração de cineastas…

MB – Exatamente. Foi quando Fassbinder escreveu aquele maravilhoso artigo sobre Sirk; Godard, Truffaut e os outros franceses também começaram a citá-lo como influência, e também quando saiu o livro de Jon Halliday (Sirk on Sirk). Kathryn Bigelow e eu então fizemos uma grande entrevista com ele para a revista Interview, de Andy Warhol. Na época também conheci Elisabeth Leufer, que se tornou uma grande amiga do casal, quem escreveu a primeira biografia de Sirk em alemão, e ontem mesmo recebi um telefonema de um historiador do cinema de Hamburgo que está escrevendo uma nova biografia de Sirk que deverá ser lançada agora em setembro/outubro.

ES – Esse processo de reavaliação da obra de Sirk dava-se da mesma maneira entre os jovens cineastas alemães e americanos, ou havia alguma diferença de abordagem?

MB – Na verdade ele era muito mais apreciado na França, os franceses de fato são os primeiros a merecer o crédito pela “redescoberta” de Sirk, especialmente o pessoal da Cahiers du Cinéma, mas também da Positif, e só depois vieram Fassbinder e Jon Halliday, antes que essa onda se espalhasse por toda a Europa, incluindo aí a Itália, onde Bertolucci e Bellocchio eram os grandes entusiastas.

ES – Só Hollywood que levou mais tempo para apreciar a obra de Sirk…

MB – Hollywood definitivamente levou muito mais tempo, até porque Sirk deixou lá uma imagem de diretor caprichoso. Para Hollywood, a obra de Sirk era considerada como “filmes de choradeira” (handkerchief films), melodramas para as tardes das donas-de-casa.

ES – Por acaso Sirk expressou em algum momento seus rancores em relação à Hollywood?

MB – Não, jamais. Era mesmo muito esquisito, pois ele tinha dezenas de motivos para reclamar de sua experiência nos EUA. Ele foi mesmo abusado pelo sistema e nem ao menos foi remunerado decentemente. Ele realizou um sucesso após outro para a Universal e eles, em algumas situações, pagaram-no com ações da empresa, e quando ele deixou o estúdio – e esse foi o seu grande erro – Sirk acreditava que algum novo gênio iria tocar a Universal e valorizar as ações, mas o que se sucedeu foi a grande crise dos estúdios de Hollywood nos anos 60. Não havia mais Minelli nem Sirk nem uma nova geração brilhante, e o que Sirk havia guardado não deu nem para sustentar a casa que ele mesmo construiu no Ticino, e que logo depois teve de vender para comprar um apartamento super modesto em Lugano onde ele e Hilde viveram até o fim da vida. Claro que dava para perceber que ele não estava contente com essa situação, mas ele ainda tentou dar um jeito. Lá pelos idos dos anos 70 o video-cassete começou a ficar popular e ele tentou, junto com outros diretores, como Martin Scorsese, fazer alguma coisa para ganhar algum dinheiro com essa nova mídia, mas no fim não deu em nada. Isso certamente o incomodava, mas ele não se deixava amargar. Ele era nobre demais para isso; talvez em seu íntimo ele sofria com isso, mas nunca deixava transparecer nada.

ES – Sobre quê vocês costumavam conversar?

MB – Sobre tudo! Ele se interessava por gravuras chinesas e japonesas, assim como por poesia alemã, política, e, claro, filmes, e fenômenos sociais, a única coisa que o entediava mortalmente era fofoca. Ele era extremamente intelectual, extremamente ligado nas coisas do seu tempo, lia jornais do mundo todo, era membro da Sociedade de Museus da Suíça (Museumgesellschaft), e adorava vir à Zurique onde podia achar todos os jornais e revistas do mundo.

ES – Ele comentava também sobre a sua experiência de retorno à Europa?

MB – Sim… dizia-se que ele voltou à Europa porque em Hollywood ele estava estafado (burnt-out), no fim de suas forças físicas e mentais, e sair de lá era a única saída para salvar sua vida. Mas Fassbinder me disse, e outra pessoa confirmou a tese, que ele tinha uma outra mulher em Hollywood, alguém bem dentro do sistema, e que trabalhava na produção de seus filmes. E por isso Hilde quis tirá-lo de lá… mas vai saber, essa história até hoje não foi provada.

ES – Você tem aqui nos arquivos caixas e caixas de manuscritos originais, mas Sirk chegou a publicar alguma coisa em vida, ou postumamente?

MB – Não, nada. Ele não tinha nenhuma ambição literária, senão ele certamente teria dado um jeito de publicar. Escrever para ele era uma coisa muito pessoal, uma satisfação para a alma. Como você pode ver, os manuscritos estão em estado bem cru, ele não se preocupava em retrabalhá-los ou reescrevê-los. Mas Hilde escreveu um roman à clef sobre suas relações, e ela bem que queria publicá-lo, mas você viu o manuscrito, e ele é muito difícil de entender, mesmo apesar de estar datilografado. É um tanto tedioso, confuso, não está muito bem escrito. Eu creio que ela começou a escrevê-lo tarde demais.

ES – Como foi que esse material acabou em suas mãos?

MB – Eu era tamanho fã deles, toda vez que ia à Hollywood – e eu ia pelo menos duas vezes por ano – eu procurava e comprava toda e qualquer memorabilia sobre Sirk. Fotos, cartazes, posters etc, e eles um dia me perguntaram se eu não gostaria de abrir uma Fundação Douglas Sirk. Isso foi uns dois anos antes da morte de Sirk, e Hilde  me deu dez mil francos suíços para começar, e depois a Cinemateca Suíça e a Prefeitura de Zurique também contribuíram.

ES – E há ainda mais material em algum outro lugar?

MB – Não. Há certamente cartas pessoais, mas elas são propriedade dos destinatários.

ES – E que você pretende fazer com o arquivo?

MB – Alguma hora vou passar tudo para a Cinemateca Suíça, mas no momento ela passa por uma grande reforma e estou esperando as coisas se definirem lá – assim como certas garantias quanto ao uso e conservação do material – para realizar a doação.

ES – Alguma vez ele discutiu com você as razões de haver parado de filmar?

MB – Sim. O estúdio o espremia tanto, Sirk realizava dois a três filmes por ano… se ele fosse um Godard, filmando de improviso, tudo bem. Mas Sirk era um perfeccionista, e a máquina de Hollywood também era, é, muito exigente. Assim que em um certo momento ele se deu conta que estava exausto. Sirk tinha outros interesses, Hilde também temia pela sua saúde.

ES – Quem você considera, entre os então jovens diretores, os mais significativos na revalorização da obra de Sirk?

MB – Kathryn Bigelow, John Waters e Todd Haynes, Claude Miller, George Cukor e mesmo Vincent Minelli… mas também não podemos esquecer de Almodovar, e aquele diretor turco, Isbedek (????). Todos eles adoram Sirk, e Sirk de fato pode ser considerado como o pai de toda uma geração de jovens diretores que amam o melodrama e que reconheceram que ninguém conseguiu trabalhar esse estilo melhor que ele.

ES – E quem deles teve um contato pessoal com Sirk?

MB – Bigelow, Bertolucci, Fassbinder, Daniel Schmidt, Tavernier, Scorsese…

ES – Godard também?

MB – Não, apesar da proximidade geográfica (Godard vive na Suíça francesa), ele nunca procurou Sirk.

ES – Pessoalmente, como você descreveria Sirk? Ou melhor, o que mais lhe impressionava em sua personalidade?

MB – O que mais me impressionava era mesmo a sua modéstia. E a elegância com que ele se expressava, nunca conheci alguém que falava e discutia de maneira tão distinta, e isso certamente devido ao seu conhecimento extremamente rico e variado. Ele era sempre muito focado nas coisas que lhe interessavam…

ES – Ele parecia ser uma pessoa bastante sóbria…

MB – Sim, bastante sóbria, mas ele adorava dar boas risadas também. Ele não era de beber nem tomar drogas, mas sempre que havia mulheres em volta sobressaía o seu lado galanteador, sedutor. Ele definitivamente gostava de flertar, mas sempre colocava Hilde acima de qualquer outra. Ele não era do tipo de paquerador barato, longe disso, até nisso ele se comportava com uma elegância extraordinária.

ES – E ele falava sobre a Alemanha?

MB – Ele sempre falava sobre a Alemanha, a Guerra era uma coisa que o incomodava muito, pois isso foi a pior coisa que aconteceu na sua vida, especialmente no que se refere ao seu filho que foi mandado para o front com 16, 17 anos e morreu em combate. Sua primeira mulher era nazista, e quando se separaram, seu filho também se tornou um nazista fervoroso. Sirk teve que acompanhar o crescimento do seu filho por meio dos filmes de propaganda nazista, ele assistia a esses filmes para ter uma idéia de como seu filho se parecia. Era um pesadelo. Há um livro recente sobre isso, mesmo sem citar Sirk pelo nome, é um roman à clef de um jovem escritor que aliás trabalha com Scorsese.


Sirk, o essencial
Comentários 1

Inácio Araújo

Outro dia, passando os olhos rapidamente pela programação da Retrospectiva Douglas Sirk do CCBB disse que era completa.

Meia hora depois lembrei que não havia visto ali “Hitler’s Madman”, que no Brasil tem o título horrível de “O Capanga de Hitler”, que é um filme sobre o assassinato do Heinrich, feito ao mesmo tempo que o do Fritz Lang (“Os Carrascos Também Morrem”).

São filmes interessantíssimos de comparar, porque mostram bem as diferenças estilísticas desses dois diretores alemães.

Ambos essenciais.

Mas a questão é que Sirk filmou pra burro, nos EUA: três filmes por ano. Não é mole.

Tem a fase alemã, na UFA nazista, me parece que completa. O principal é sem dúvida os dois filmes com Zarah Leander, “La Habanera” e “Zu Neun Ufern”.

É bom precisar que Sirk não era nada nazi. Ele era diretor de teatro e foi denunciado pelos próprios atores, quando os nazistas subiram ao poder. Refugiou-se então na UFA.

A questão é que a segunda mulher dele era judia. A primeira, claro, virou uma nazi ardorosa.

O que vem depois é paradoxal, porque seus filmes faziam o maior sucesso, mas ele não podia ter passaporte, o pessoal desconfiava dele, e a mulher ele já tinha conseguido que saísse do país.

Aí ele consegue escapar. Tem um filme na França que, consta, é supervisionado por ele, mas sem crédito. E na Holanda ele faz “Bofje”, que também não está na retrospectiva, eu nunca vi, parece que é bem raro.

A fase Columbia eu conheço mal. Mas “Lured” é um filme bem interessante. Vi mais uns dois outros, mas eu confundo, não vou arriscar os nomes. Acho que vi “Vidocq”, porque assim como “Lured” tem o George Sanders.

Na Universal ele filma a dar com o pau. É a história dos três por ano que o amigo contou ao Simantob, numa entrevista que eu bem gostaria de ler inteira, sem edição. Está ótima! Mas curtinha…

Então faltam alguns menos conhecidos.

Há alguns, como “Agonia de uma Vida”, de 51, acho que o primeiro filme Universal dele. Um melô ótimo sobre umas freiras que acolhem uma suposta criminosa. E chove aos montes.

Gosto muito de “Sinfonia Preateada” (ele tinha mão boa para comédia) e de “Mulher de Fogo”, mais para musical, com a Ann Sheridan arrasadora.

Há um filme muito interessante, que é “Herança Sagrada”, porque é um faroeste, o que sai bem do estilo Sirk, mas com um aspecto melodramático acentuado.

No domínio da aventura, “Sangue Rebelde” é interessante.

E os grandes filmes continuam grandes. As produções do Albert Zugsmith são o melhor, “Palavras ao Vento” e “Almas Maculadas” – esse é menos conhecido, por ser em P&B, mas é espetacular.

As produções do Ross Hunter são aquela coisa. É interessante, o Sirk fazia o pior material virar o melhor filme.

Tem dois que acho bem fracos: “Hino de uma Consciência” e “Interlúdio”.

Vale ir ver.

Cassavetes

Já o Cassavetes na Cinemateca é bem parcial, o que não significa que os filmes não sejam ótimos.

São a ver também. Mas são filmes que estão aqui, bem mais acessíveis.

As estréias

Ah, as estréias. Há o Kore-Eda. Cercado pelo nada.


Quitéria e os outros
Comentários 4

Inácio Araújo

Já deu para notar que eu não tenho falado muito de cinema. É pela simples razão de que não vejo filme que me entusiasme. É como dizer: temos mais o que fazer.

O Kiarostami disse uma coisa interessante: que esses filmes hollywoodianos não apenas não nos dão nada, como ainda tiram. Ok. Se fossem apenas os hollywoodianos estava bem.

Então vou dizer que lembrei da Quitéria.

Ela é a mulher que achou a bolsa de documentos que um dia eu perdi perto da Casa Flora e me ligou.

Nós marcamos um encontro, não me lembro mais onde, mas lá para os lados da Zona Leste. Era o terminal de ônibus dela.

Era longe pra burro, o que me leva a supor que ela vinha de muito longe até ali para tomar outra condução até o trabalho.

Eu percebi que era ela chegando. Pela maneira como andava na minha direção e porque eu devia ter a expressão mais ansiosa do mundo.

Aí, quando eu vi que ela agitava a bolsinha, dei uma corrida, um grande abraço e um beijo em seu rosto.

Era uma moça negra, nova ainda, forte, de rosto simpaticíssimo.

Aí eu dei um dinheiro para ela. Pelo aborrecimento, pelo deslocamento, pela gentileza, por tudo.

Mas não foi a isso que ela se mostrou reconhecida. Foi o abraço e o beijo. Ela era “cenourinha”, explicou, o que significa, concretamente, que trabalhava com lixo. E as pessoas, ela sentia que faziam como se ela não existisse.

Eu fiz cara de espanto. Porque todas as pessoas existem. Trabalhar com lixo não significa que sejam menos que os outros.

Então eu digo apenas que me sinto mal porque perdi o telefone da Quitéria, com quem eu queria voltar a falar, porque é uma cidadã íntegra e porque pensa no outro.

Isso aconteceu num sábado. Ela acabou o expediente. Podia ir descansar. Mandar o chato que perdeu a bolsa se lascar. Mas não fez isso. Ela pensou no outro, não é pouca coisa.

É uma coisa que a gente vê muito mais nas pessoas pobres do que nos AB, que pensam muito em si mesmos e só em si mesmos.

E o homem da carroça

Ouço dizer que esses homens que puxam carroça são desprezados, também eles.

Que as pessoas os xingam, dizem que são vagabundos, essas coisas. São pessoas para quem a única coisa que importa é a tralha do seu carro andar. A vida é secundária.

Mas essas pessoas estão enganadas em vários níveis.

Os homens das carroças são importantes para a reciclagem.

Claro, devia haver uma política mais desenvolvida disso no Brasil. Aqui em São Paulo, ao menos, é tudo uma porcaria.

De todo modo, penso que não existe política nacional para o lixo e a reciclagem.

Agora em São Paulo te vendem uma sacola ridícula por R$ 0.50 e escrevem “vamos salvar o planeta”. Com mais sinceridade, diriam “vamos salvar os supermercados”.

Não tem nem uma coleta decente de lixo reciclável, uma coisa vergonhosa…

Mas os paulistas convivem bem com isso, os paulistas AB, pelo menos. Enquanto puderem descarregar em cima dos carroceiros vão levando.

Eu aproveito essa vaga de filmes chatos para encher um pouco essa turma.


Humor periclitante
Comentários 13

Inácio Araújo

 

Um humorista de TV, eu li, parece que levou um soco ou empurrão de um deputado.

Faz o barulho habitual.

Sem saber quem é o deputado (nem o humorista), tenho todo respeito seja qual for o partido do tal parlamentar.

Nem que seja o Demóstenes, o nosso Tartufo.

Não sei em que momento o humor de TV tomou esse desvio, de abandonar toda imaginação, todo o circunlóquio das gags, essa tradição de Grande Otelo, Chico Anysio, Jô Soares, Golias e tantos mais.

Ou do Casseta e Planeta do tempo do Bussunda. Ou dos Trapalhões…

Ou, em termos de jornal, aquilo que faz o Simão…

O humor é uma mediação importante do mundo: ele nos introduz à felicidade da surpresa, do inesperado, do censurado (pelo inconsciente, não pela censura…).

Mas essa coisa ruidosa, que vive de uma fantasia de jornalista e, a partir dela, da suposição de que pode tudo… Francamente.

Eu posso imaginar até que “o público quer isso”. Mas o artista precisa conduzir o público, e não o inverso.

Marcelo Tas era uma presença crítica e feliz, quando era o Repórter Varela. Agora, parece um ambulante maluco gritando a plenos pulmões no “CQC”.

Um outro cara do “CQC” fez um programa admirável sobre crack. O que prova que pode fazer outra coisa que não humor sem graça.

Talvez não sejam as pessoas. Talvez seja a TV. A disputa insana por audiência.

Essa busca do quanto mais fácil melhor parece um pouco com esses prédios neocoloniais ou neomediterrâneos que infestam a cidade: não precisam nem de arquiteto, mas pela sua simples presença, pelo mau gosto que ostentam orgulhosamente aborrecem, entristecem, sujam a paisagem.


O Mistério dos Mistérios de Lisboa
Comentários Comente

Inácio Araújo

Deve haver uma explicação, é claro, mas a primeira notícia é quase chocante.

“Mistérios de Lisboa” entra em cartaz, sim. Mas numa sessão apenas, no CineSesc.

Uma sessão, ok. Mas a sessão de duas da tarde. 14h.

Se fosse das 16 às 20h. Se fosse das 20h às 24h, fazia sentido.

Mas sessão das duas para um dos filmes mais bonitos dos últimos anos…

Eu, que não sou Raoulruizista fiquei de boca aberta, é um filme impressionante, o melhor da Mostra de 2010, junto com “Carlos” (que não entrou em cinemas até agora).

Não é que o filme merecesse sorte melhor. Nós é que merecíamos. Não somos tão ruins assim.

Um Bandido, dois Bandidos

Estréia finalmente “Luz nas Trevas”.

Não se pode esperar um filme do Rogério Sganzerla. Não é isso. Não poderia ser.

E a coisa mais certa que fez Helena Ignez foi tomar o filme a si, quase como uma obrigação, mas não tentar ser Rogério.

E o resultado é a defender.

Gosto da aproximação entre os dois bandidos, ainda que fique um tanto a meio de caminho, um tanto na psiquê do filho, o Tudo-ou-Nada.

E Tudo-ou-Nada ser nada, ser uma insignificância, uma imitação barata do pai, me pareceu um achado, porque está bem de acordo com os nossos tempos.

Nada do sensacionalismo que fazia de um pobre coitado, como o Luz, o grande inimigo público.

Hoje a enganação é mais engalanada. O buraco é mais em cima.

Os pés de chinelo morrem em silêncio. Têm o direito de berrar enquanto são torturados.

Detlef, Douglas

É quarta-feira que começa em São Paulo.

Voltarei ao caso. A retrospectiva Douglas Sirk é de uma completude esmagadora.

Tirando os filmes que fez com os alunos, depois que voltou à Alemanha, acho que tem tudo.

Há do óbvio ao raro.

Com a ressalva de que até o óbvio é raro, isto é, não se vê em cinema.

Os filmes que eu conheço feitos na Alemanha, “La Habanera” e “Recomeçar”, aqueles da Zarah Leander, são muito bons (e há um quê nazi bem sutil no roteiro, mas convém esclarecer que Douglas, então Detlef Sierck, era antinazista já então: um dia conto a história se for preciso).

A fase da Columbia, até onde conheço, é mais fraca um pouco.

Mas quase tudo é bom depois que ele vai para a Universal.

“Thunder on the Hill” é uma beleza, “Sinfonia Prateada” e “Mulher de Fogo” são comédias muito, muito interessantes.

O que me enche são uns filmes já mais para o fim, como “Sinfonia Interrompida” e “Hino de uma Consciência”.

Ainda assim, gostaria de rever, para ver se os filmes mudaram ou mudei eu.

Enfim, um ciclo a não perder.

Como disse, voltaremos.


São Paulo: Virada 2012, Metrô, Tinoco
Comentários 2

Inácio Araújo

É bem impressionista, o que vou dizer, mas o passeio da Virada Cultural paulistana, este ano, me pareceu muito, mas muito menos interessante do que o dos anos recentes.

Não sei se isso tem relação com a Virada carioca, no mesmo dia, que estabelece certa concorrência. Mas acho que não.

Por outro lado, não sei se o investimento muito alto do Sesc acaba tirando da Virada sua principal virtude, que é o restabelecimento do Centro como espaço de convívio democrático.

Com desculpas pelo uso da palavra “democrático”, que serve para mais ou menos qualquer coisa. Tento dizer que ali aparecem e aproveitam das mesmas atrações os ricos e os pobres, os que vêm de longe e os de mais perto. O Centro nos iguala, no sentido em que mostra que somos muito mais parecidos uns com os outros do que às vezes imaginamos.

Isso é que eu vi pouco. Vi pouco passeio e muito ajuntamento. Vi muito artesão espalhando suas produções chatas na calçada. Vi muito show paralelo, ou que nome se queira dar a isso, mas são basicamente caça-níqueis.

Talvez a Virada esteja muito grande, talvez um pouco dispersa… Não sei, este não foi um ano de encantamento para mim.

Metrô

Esperando o Metrô tive o “insight” terrível: o Metrô de SP nunca vai dar certo.

Ele precisaria de trens muito maiores para comportar a demanda de uma cidade deste tamanho.

Por isso os trens se apinham de gente, embora a rede seja ridiculamente pequena.

Não sei se nas linhas novas os trens são maiores. Mas as ainda principais (Norte-Sul e Leste-Oeste) sofrem de pequenez.

Ou seja, não são concebidas como transporte público, mas como “transporte de pobre”.

E haja carro na rua.

Tinoco

É incrível que, tendo morrido Tinoco – com a devida comoção nacional – não tenha sido exibido um mísero filme que tenham estrelado.

E eles foram feitos.

Onde estão? Em que estado estão? Há restauro em andamento?

Caminhamos um tanto nesse sentido, mas falta um monte.

Se o cinema ficar nesse conformismo, se a preocupação continuar sendo apenas a mesma de sempre (mercado, dinheiro para produção e tal) é bom indagar logo qual o sentido disso tudo.


Bórgia, Corleone, Cachoeira
Comentários Comente

Inácio Araújo

Sou um observador distante da política. Por exemplo, para prefeito de São Paulo voto no primeiro que se dispuser a pôr um fim nessa lei que numera os lugares dos cinemas.

Por todos os motivos: acho as filas um lugar legal para fazer amizades (que acabam no momento seguinte, de preferência) e para encontrar amigos antigos. Lugares marcados só servem para tornar o cinema um lugar mais solene e para beneficiar firmas de venda de ingresso pela internet.

Mas não é disso que eu queria falar. Sou observador distante da política. Observo as imagens um pouco mais atentamente.

O que está acontecendo no Brasil, hoje, com essa história de Cachoeira, me remete a duas obras: “Os Bórgias”, cuja segunda temporada ainda não entrou aqui na TV, mas já está rolando, e “O Poderoso Chefão”.

Os Bórgia valiam-se do envenenamento como método principal de construção de seu poder.

Já Vito Corleone era um cara da conversa. Podia agir com violência, mas esse não era o seu método.

Minha impressão dessa história de Carlinhos Cachoeira é que as pessoas (Congresso, jornais, etc.) estão lendo os fatos na linha da velha intriga política (uma propina aqui, prejudicar o adversário ali etc.).

Mas não é isso o que estavaem marcha. Naminha opinião estamos diante de um fenômeno perto do qual toda a corrupção que se possa ter detectado no passado no Brasil é coisa de criança.

Mensalão, privatização, Collor, o que se quiser: tudo coisa de amadores.

Cachoeira é um profissional. É a isso que se precisa atentar. Não importa nada se tal deputado pegou uma graninha aqui, se um governador fez um favor ali. Essas são apenas as decorrências.

O método, isso é o que conta. Cachoeira tem negócios legais e ilegais. Vai do bicho aos laboratórios. Isso é um ponto. Mas não se sabe a real extensão desses negócios. Ou seja, essa construtora Delta, seria dele ou não?

Pode ser que fosse. Mas me parece que o negócio de Cachoeira era, como o de Vito Corleone, tecer uma rede de influência que envolve:

– congressistas,

– juízes,

– industriais,

– imprensa.

A parte de imprensa é muito relevante. Assim como Bórgia usava veneno, o negócio de Cachoeira, pelo que se pode ver, era passar informações, filmes, grampos, essas coisas. O veneno de Cachoeira é a intriga.

Para bem colocá-lo em funcionamento, contava com uma rede de subalternos operacionais, tipo policiais e ex-policiais, os chamados arapongas.

Cachoeira não podia aparecer muito. Havia as figuras públicas do grupo, entre políticos (o senador lá) e industriais.

O método era o de Vito Corleone: eu te faço um favorzinho hoje, você me faz outro amanhã. Padrinho.

Cachoeira estava profissionalizando o apadrinhamento, que é um velho modo da política brasileira. O que Sarney faz quase romanticamente com o Maranhão ele estava reproduzindo em Goiânia, e já espalhando ramificações, de um modo ou de outro, para o Brasil inteiro.

Em outras palavras, estamos diante de um caso de Máfia em formação.

Reduzi-la a intrigas políticas a favor de A ou B, não compreender a natureza do caso, será apenas fazer um favor para essa gente.

Quem vai ao cinema sabe que a questão, ali, não é comer pipoca e se encher de Coca-Cola.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>